CURTA NOSSA PÁGINA !!!

Faça parte de nossas redes sociais e nosso canal no youtube.

Adultério - Oito Pecados





O adultério é um ato terrível. Porque é um pecado praticado por duas pessoas não é possível escondê-lo por muito tempo dos olhares de terceiros. No adultério estão envolvidas oito violações do código moral de Deus.

O PRIMEIRO pecado é aquele praticado contra o próprio adúltero. Por outras palavras, és responsável por todas as conseqüências do teu acto e culpado diante de Deus até tudo ser confessado. Até ao dia em que fores perdoado picar-te-á com o seu aguilhão destruidor e na tua consciência sentar-se-á soberano a ditar pensamentos pecaminosos.

O SEGUNDO pecado é contra a tua própria mulher. O adultério é violação dos votos matrimoniais. É um embuste contra a tua esposa e um acto de traição contra outro ser humano que depositou confiança em ti. Também este pecado se apegará à tua consciência para destruir toda a intimidade que é característica importante entre duas pessoas que se amam. Porém o teu olhar se desviará do olhar da tua esposa porque a tua intimidade com ela foi destruída. Sabes que a atraiçoaste e desejas que ela jamais o descubra. Os adúlteros têm esta particularidade: evitam olhar nos olhos daqueles que ofenderam.

Vem depois o pecado número TRÊS: pecaste contra o marido da adúltera. O adúltero engana também outro homem, em muitos casos contra um amigo, um membro da família ou um colega de trabalho. Dali em diante o adultério torna-se um terrível obstáculo e um embaraço silencioso na tua personalidade que destrói intimidades de longos anos. Cravaste a faca da traição nas costas do teu melhor amigo, dum membro da tua família, e dali em diante a tua conduta é pretender que nada de errado existe. A isso também se chama pecado mas não o contarei nestes oito.

A seguir vem o pecado número QUATRO: pecaste contra a própria parceira do teu acto. Embora a mulher seja parte do teu pecado, foi a tua iniciativa que a provocou a pecar. No princípio de uma relação adúltera existe a oportunidade de escapar à série de conseqüências desastrosas que o acto irá provocar. Falta de discernimento nesse instante fatal leva ao pecado de adultério e arrasta contigo outro ser humano.

Vem depois o pecado número CINCO: pecaste contra os teus próprios filhos. Quando o acto é descoberto e exposto à luz resulta na destruição do equilíbrio familiar, na confiança dos filhos nos pais. Magoaste aqueles para quem eras um modelo moral, mesmo para outros familiares e amigos. Os conselhos que deste em matéria de fidelidade à vida familiar são lembrados. Os teus filhos olham agora para ti como um mentiroso, falso e traidor. O respeito que te tinham é destruído e em muitos casos o teu acto afectá-los-á psicológica, moral e espiritualmente. Danificaste o seu respeito pela vida e alguns cometem suicídio. Este pecado contra os teus filhos é extremamente grave pois despedaça a sua fibra moral e faz com que vejam a sociedade onde vivem um ambiente de corrupção e mentira. Em muitos casos destrói por completo a harmonia da vida familiar. Os teus próprios pais voltar-te-ão as costas pois não podem mais ter confiança nas tuas acções, especialmente se tiverem que sofrer parte das conseqüências do teu acto, como seja, tomar conta dos teus filhos em sofrimento.

Vem depois o pecado número SEIS: contra os teus próprios amigos. A confiança que tinham em ti desaparecerá. No seu lugar instalar-se-á a suspeita, o ressentimento e a vergonha da tua presença no seu meio. Se consideram o matrimônio sagrado, quando chegas eles pensarão: "atraiçoou a própria esposa, os filhos inocentes, parentes e a nós. Quem será a próxima vítima? Eis um homem adúltero."

Vem a seguir o pecado número SETE: pecaste contra a sociedade. Sabes que para se viver numa sociedade equilibrada é importante respeitar o código moral bíblico. Isto é, fazer aos outros o que queres que te façam a ti (Mateus 7:12). Enquanto eras fiel à tua mulher não desejavas que ela adulterasse contra a tua pessoa. Casaste com ela dentro do princípio moral que todos nós temos que obedecer. O marido da mulher com quem adulteraste seguiu também o mesmo princípio. Nenhuma destas quatro pessoas iniciou a sua vida matrimonial com o objectivo preconcebido de um dia cometer adultério. O facto é que ninguém casa com o desejo de praticar tal acto. Assim, a sociedade em que vivemos é afectada pelo adultério e muito sofrimento é causado a espectadores inocentes.

Vem depois o pecado número OITO, o último mas não o menor: pecaste contra o próprio Deus. O matrimônio é uma união sagrada, no sentido em que é uma instituição ordenada por Deus na Bíblia. Por causa da dureza do coração do homem há certos casos justificáveis de divórcio, mas não existe no código divino uma única sentença para justificar o adultério. Está escrito: NÃO ADULTERARÁS (Êxodo 20:14). É um mandamento muito claro. Violar este mandamento é pecar abertamente contra Deus Omnipotente que ordenou o casamento e proibiu o adultério. As conseqüências desta desobediência são terríveis: INFERNO! A Bíblia nomeia nas suas páginas aqueles que não entrarão no reino de Deus e o adúltero faz parte da lista (1 Cor 6:10).

OITO PECADOS, com as suas desastrosas ramificações e conseqüências. Não é porém o pecado imperdoável. O adultério pode ser perdoado e o Senhor Jesus demonstrou-o perdoando uma mulher apanhada no próprio acto. Quando os religiosos daquele tempo a trouxeram aos pés de Jesus para ouvirem dos Seus lábios a confirmação do que estava escrito na lei quanto ao adultério, apedrejamento até à morte, o Senhor sem dizer uma palavra escreveu alguns nomes na areia do chão. Escreveu Ele os nomes de alguns daqueles líderes ou de membros das suas sinagogas que já tinham também cometido adultério?

A tragédia do adultério é evidenciada pelo facto das duas partes não se arrependerem juntas. Jesus perdoou a mulher adúltera mas onde se escondeu o homem que a levou a pecar? A agitação causada pelo adultério é como poderosa onda que avança e destrói. No caso do rei David destruiu uma nação. No caso de um homem anônimo causa injúria a muitas pessoas anônimas, esposa, filhos, parentes, amigos e até àqueles que ainda não nasceram. É um pecado perdoável mas deve ser confessado pelas duas partes cedo antes de se tornar a causa de conseqüências graves, a curto e longo prazo. Mas porque é que o homem e a mulher ofendem a Deus com o adultério? Por causa de desobediência. Deus diz NÃO ADULTERARÁS, porém a ordem é ignorada.

O princípio universal de conduta moral, isto é, que somos livres para escolher, mas depois somos responsáveis pelos resultados das nossas escolhas, é também aplicado ao adultério. O adúltero diz que o homem é dirigido por fortes emoções físicas impossíveis de controlar. Deus ordena que não cometas adultério. É uma poderosa ordenança. A tua escolha é obedecer a ordem divina ou obedecer as tuas emoções físicas. O resultado não pode ser escolhido. Governar a tua vida pelas tuas paixões internas é muito arriscado porque o pecado jaz à porta do teu coração (Gênesis 4:7).

O homem foi criado por Deus para apreciar e obedecer a Sua lei moral, mesmo em condições as mais primitivas. Escolhe o adultério mas não poderás alterar as suas desastrosas conseqüências. Se todos nós vivêssemos numa sociedade onde todos adulteravam uns contra os outros, a vida familiar não existiria porque todos praticavam a mentira, a desonestidade e a ofensa e a vida seria insuportável. Ninguém acreditaria no seu próximo e os filhos pagariam um preço terrível pelos nossos pecados. Deus puni-los-ia por causa do nosso pecado (Êxodo 20:5b). Nesse tipo de sociedade, onde toda a gente seria desleal e mentirosa, o amor e o bem não poderiam florescer. Significaria auto destruição como nos dias de Noé.

O adultério é terrível porque cria circunstâncias e conseqüências que não podem ser alteradas e magoa muitas vítimas inocentes. Qual é então a razão porque um homem comete adultério? Um homem está inclinado e disposto a infligir angústia e sofrimento à sua esposa, aos seus filhos e outros, e a violar importante princípio moral contra ele próprio simplesmente porque inclina o seu ouvido e obedece à sugestão do diabo (Provérbios 7:1-5; 23:27-28).

NÃO ADULTERARÁS. "Assim, o que adultera com uma mulher é falto de entendimento; aquele que faz isso destrói a sua alma. Achará castigo e vilipêndio, e o seu opróbrio nunca se apagará. Porque os ciúmes enfurecerão o marido; de maneira nenhuma perdoará no dia da vingança. Não aceitará nenhum resgate, nem se conformará por mais que aumentes os presentes." Provérbios 6:32-35 (Almeida Corrigida Fiel)

Seitas e Heresias: As Verdades sobre os enganos



Este é mais um Link disponivel no Blog onde voce conhecerá mais um pouco sobre seitas e heresias, que confundem a mente de muitas pessoas que estão cegadas de entendimento. Infelismente também, crentes que não são pautados na palavra de Deus, caem nessas ciladas. Que voce possa crescer e aprender mais de Deus por meio dos estudos e ensinos postados neste abençoado Link.
Deus abençoe a todos.

Os Caminhos do Coração



Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e agradam aos teus olhos; sabe, porém, que de todas estas coisas Deus te pedirá contas.

Ec.11.9


Introdução: Salomão, talvez já idoso, aconselhou os jovens com base em uma experiência pessoal e dolorosa.

Conforme se lê em Ec.2, o rei se deixou levar pelos caminhos do seu próprio coração, buscando aquilo que seus olhos desejavam.

O resultado foi vaidade e aflição de espírito.

1- Quais são os caminhos do coração?

São aqueles ligados aos nossos desejos, que podem ser corretos ou não. Os caminhos do coração podem determinar nosso destino nesta vida e na eternidade. Nossa vida profissional e familiar será determinada pelo que desejamos e buscamos.

2- Onde esses caminhos nos levam?

O coração do homem é enganoso (Jr.17.9). Alguns caminhos parecem bons, mas conduzem à morte (Pv.5.5; 12.15; 14.12; 21.2; ).

Precisamos avaliar nossos desejos e planos sob a luz da bíblia.

3- O caminho de Deus.

Jesus é o caminho de Deus para nós. Andar nesse caminho significa andar com Jesus, viver do modo como ele quer, de acordo com seus mandamentos e ensinamentos.

Conclusão: Abandone todo caminho mau. Não confie cegamente no seu próprio coração, mas busque a direção de Deus.

Aceite o caminho de Deus, que é o único que conduz à felicidade e à vida eterna.

Crentes, Mas Não Transformados

Imprimir E-mail


Romanos 12:2


Transformação é uma palavra chave na vida de cada pessoa que se identifica como seguidora de Jesus Cristo. As nossas igrejas estão cheias de simpatizantes e admiradores dos ensinamentos de Jesus, porém com tristeza vemos muitos crentes viverem de forma bem distante e diferente da proposta de Jesus. A transformação de que fala a Bíblia é uma condição inegociável para o cristão, ela á ampla e global, é renovação da mente, é a mente da pessoa que controla sua vida, que determina suas ações, seu procedimento, por isso a Bíblia diz que a renovação, a mudança, a transformação precisa acontecer na mente. Há muitas idéias erradas sobre transformação:

Transformação não é somente ir a igreja em todas as reuniões, participar dos cultos, andar com a Bíblia e dizer sou crente, ou ainda encher o automóvel de adesivos.

Transformação não é somente deixar de fumar, beber, jogar e outras coisas similares.

Transformação não é somente falar do que Jesus faz ou pode fazer.

Transformação não é somente deixar de andar em companhia de pessoas margilalizadas pela sociedade.

Com certeza essas coisas sozinhas, não mostram uma verdadeira transformação, é preciso muito mais. “Se a vossa justição não exceder em muitos os escribas e fariseus de modo algum entrareis no reino de Deus” Mt.5:20. As nossas igrejas tem muita gente que necessitam de uma real e verdadeira transformação. A falta de uma vida verdadeiramente transformada tem impedido muitas pessoas de se aproximarem do evangelho de Jesus Cristo. A força do evangelho está na transformação que ele produz; precisamos nos libertar do velho homem com todos os seus resquícios e sermos revestidos de uma nova vida. Imagine uma esposa que diz para o seu marido - “ Eu, agora sou crente”, mas continua a brigar com o marido por tudo, a falar mal da vizinha, e ainda diz para o marido você precisa se converter.

Que exemplo esse marido tem da esposa? Que evangelho é esse?. Pense, em um filho que vai a todas as reuniões da igreja, é lider dos jovens ou dos adolescentes, mas em casa é respondão, briguento, irrita-se com facilidade, é grosseiro, não respeita os pais, quando voce acha que os pais desse jovem vão desejar aceitar o mesmo Jesus do seu filho? E o inverso é verdadeiro tem pais que oram anos a fio pelos seus filhos, porém nunca deram um testemunho que tenha provocado em seus filhos o desejo de servir ao mesmo Deus que eles. Que dizem os colegas de trabalho de um crente mal humorado, que nunca está pronto para ajudar ninguém, está transformado porque vai a igreja e é só, alguém vai desejar conhecer o Jesus dessa pessoa. O que dizer do jovem, da jovem que escandaliza os novos convertidos, pois falam mal, e as vezes até criam barreiras entre os irmãos, como será o Jesus dessa pessoa. “ Aquele que diz que está nele, deve andar como ele andou” I Jo.2:6.

O mais difícil é que tem pessoas que se acostumam a serem assim, e acham que não tem nada demais, porém fazem mal para si e para os outros. Não estamos falando que podemos viver sem pecar, pois isso é impossível enquanto estivermos aqui na terra. Transformai-vos, essa é a ordem de Jesus, para vida de todo aquele que é nascido de novo. Transformai-vos o vosso modo de pensar, de falar e de agir, com certeza as pessoas verão a diferença e quando vêem esta diferença dizem, verdadeiramente o evangelho transforma.

Quer ganhar seu marido para Jesus, seja uma pessoa transformada, deixe Jesus agir em tua vida. Quer ganhar sua esposa para Cristo, seja um exemplo de marido, em todas as áreas, seja um servo usado por Deus. Quer ganhar teu filha, tua filha, ore por ele, por ela, mais mostre que você é um pai, uma mãe diferente, que há algo divino em você. Jovem quer ganhar seus pais para Cristo, quer levá-los aos pés de Jesus, seja um filho transformado, uma filha transformada. Está em nossas mãos fazer a diferença. Como é bom ouvirmos, de um pai, o meu filho é outro desde que aceitou a Jesus. Quantas esposas podem dizer, foi o testemunho do meu marido, que me trouxe a Jesus. O mundo quer ver Jesus em nós, nos nossos atos, nas nossas palavras, não afaste pessoas de Jesus, seja um crente transformado, seja diferente. Ame, perdoe, ajude, coopere, compreenda, ganhe vidas para Jesus, enntregue sua vida para Jesus.

Tempo de Deus


Em alguns momentos, temos a impressão de que Deus está muito distante como se estivesse indiferente ás nossas necessidades, sem pressa alguma em nos atender. Surge, a partir daí, uma tensão, entre a nossa pressa e a aparente demora de Deus. O resultado, não raro, é a sensação de abandono, de agonia e de impotência total.

Há três reflexões que precisamos fazer nessas ocasiões. A primeira, Deus não tem pressa! O agir de Deus como Senhor do tempo, da vida e da história é na exata medida de sua precisão. Ele é perfeito em tudo que faz. A pressa é própria do homem. Nossas neuroses não combinam com a paciência de Deus, sendo sempre bom lembrar que a nossa pressa não altera a ordem natural das coisas. O fluxo da vida é como o leito de um rio, que corre sozinho, sem pressa que ninguém precise apressá-lo.

Em segundo lugar, a aparente demora de Deus deve ser entendida por nós como um tempo pedagógico. Enquanto esperamos, Ele nos está ensinando algo. Muitas vezes, é na expectativa da espera que encontramos tempo para um mergulho em nossa interioridade, mudamos nossas percepções, refletimos sobre nossos valores, sentimentos e prioridades. Esperar origina uma forma de aprender. Quando esperamos por Deus, estamos aprendendo com ELE.

Uma terceira reflexão que deparamos no espaço do tempo entre a procura e a resposta, é que na vida nada melhor que um dia após o outro. O tempo sempre nos traz á luz aquilo que não conseguimos enxergar de imediato, porque a pressa encobre nossa visão. Consequentemente, a paciência produz a experiência, e a experiência nos conduz á esperança. Quem quiser colher frutos no futuro, precisa aprender a plantar esperança e paciência. Logo, por que apressar o rio se ele corre sozinho e naturalmente?

A cultura do imediato, das respostas prontas, da comida rápida e das demais neuroses que a sociedade moderna nos impõe, acaba roubando de nós a paciência, uma das virtudes mais indispensáveis para quem quer viver uma vida melhor, e colher os frutos de um amanhã salutar.
 
A vida desenvolve uma contínua construção, sempre inacabada, que exige repensar valores, vivenciar novos sentimentos, aprender novas lições, conquistar novos espaços e vislumbrar novos horizontes. A vida é pedagogia pura. Ela é um aprendizado forjado nas lições do cotidiano.

Deixemos pois, que cada dia dê conta de si mesmo, e que despeje suas águas turvas, cheias de mazelas e tensões, sempre ao pôr do sol. Tenhamos sempre em mente que Deus está no controle de tudo inclusive do tempo. Porque, então apressar o rio? Siga o conselho de Jesus, o Mestre da vida:

"NÃO ANDEIS ANSIOSOS PELO AMANHÃ; BASTA CADA DIA O SEU PRÓPRIO MAL".

 Deus não tem pressa! Nós é que não sabemos viver.

Cuide para que não lhe falte o azeite

        
Uma das características do verdadeiro cristão, daquele que realmente nasceu de Deus, é a pureza. Isso porque ao se tornar seguidor do Senhor Jesus, o indivíduo continua a viver neste mundo, mas de forma diferente. Ele adquire a capacidade de perdoar e passa a ver as outras pessoas com bons olhos, por isso, de maneira alguma deixa se contaminar pelo ambiente ou circunstâncias ao seu redor.

Essa é a razão de afirmarmos que o maior milagre que pode ocorrer na vida de um ser humano não é a cura de uma doença ou a solução de um problema sentimental ou financeiro, mas sim, o fato de ele se tornar filho de Deus.

Muitos se enganam ao crer que todos são filhos de Deus. Na realidade, todos nascem criaturas de Deus, mas só se tornam filhos quando reconhecem que Ele é o único capaz de salvá-las da condição em que se encontram.

Geralmente, isso ocorre quando a pessoa passa por uma situação crítica, em que todos lhe viram as costas e ela se vê completamente perdida, desamparada. Nesse momento, se volta para Deus e pede socorro com todas as suas forças. É nessa hora que o Espírito Santo vem sobre essa pessoa, assim como veio sobre Maria, e gera o Senhor Jesus dentro dela, transformando-a em uma nova criatura, com as características do Pai. Podemos dizer que a pessoa passa a ter o DNA de Deus e é isso que vai identificá-la como filha d'Ele.

Na Palavra de Deus o reino dos céus é comparado a dez virgens, ou seja, pessoas puras, que vão ao encontro do noivo, que é o Senhor Jesus. "Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. As néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas" (Mateus 25.2-4)

O azeite simboliza o Espírito Santo, responsável por manter a Luz divina acesa dentro da pessoa, que é a lâmpada. A virgem representa o cristão, e de acordo com o texto temos dois tipos de cristãos: o que está na igreja e não se preocupa em ter consigo o Espírito Santo e aquele que cuida para mantê-lo sempre presente em sua vida.

O primeiro é apagado na fé e vive à custa da luz dos outros, por isso, é vencido por seus problemas. A pessoa freqüenta a igreja, se considera cristã, conhece a Palavra de Deus, mas a sua vida reflete apenas fracassos.

Já o segundo está aceso na fé, confia no Pai, tem paz e sossego no seu interior. Não teme absolutamente nada, pois é forte, resiste e vence a tudo e a todos, porque tem o Espírito do próprio Deus dentro de si.

Se continuarmos a analisar o texto, verificaremos que a orientação é para que o cristão nunca deixe faltar o azeite, ou seja, para que mantenha a sua comunhão com Deus. Isso porque não se sabe em que momento se dará a volta do Senhor Jesus e se a pessoa não estiver acesa corre o risco de não ser reconhecida por Ele.

Por isso é que, além da pureza, um verdadeiro filho de Deus traz consigo o "azeite", que é o Espírito Santo e a perseverança.

Amigo leitor, o Espírito Santo quer revelar o Senhor Jesus a você, para que a sua lâmpada esteja acesa na hora em que o noivo chegar. Todavia, o primeiro passo tem que ser seu, ao tomar a decisão de se entregar de corpo, alma e espírito a Deus.

De repente, você tem se esforçado para conquistar a solução dos seus problemas, mas não para conseguir e manter o "azeite". Por isso, Deus tem permitido que passe por dificuldades, na intenção que você reconheça sua verdadeira condição espiritual diante d'Ele.

Pense nisso!

Fidelidade até a morte


Em Apocalipse 2.10 está escrito : "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida." Ser fiel é manter o compromisso, fazendo o que se deve fazer e evitando o que se deve evitar. Ser fiel a Deus é procurar sempre viver de acordo com a sua vontade, praticando o bem e evitando o erro. Se, eventualmente, cometemos algum pecado, devemos suplicar o perdão e voltar ao procedimento cristão. Nesse caso, caímos no meio do caminho, mas nos levantamos e continuamos na direção certa. Entretanto, existem aqueles que abandonam a vida cristã, assumindo uma postura de infidelidade deliberada. Estes desistiram, desviaram-se do caminho da salvação.

Será que nós, que hoje servimos ao Senhor, estaremos fora do seu caminho amanhã? Até onde você está disposto a ir com Cristo? Até quando você será fiel a ele? "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida."

O caminhar com Cristo nos leva a lugares diversos, a situações diversas. Pensemos, por exemplo, na caminhada dos discípulos com o Mestre. No início, tudo era agradável; Jesus transformou a água em vinho, multiplicou pães e peixes, curou enfermos, ressuscitou mortos, libertou os oprimidos, etc. Que maravilha! Como é bom andar com Jesus! Mas o tempo foi passando e as circunstâncias foram ficando difíceis. Muitas pessoas foram se levantando contra Jesus e contra os seus discípulos. Fariseus, saduceus, escribas, sacerdotes, líderes políticos, muitos passaram a perseguir o Senhor Jesus, e tudo isso culminou com a sua crucificação.

Andar com Jesus é muito bom, pois esse é o caminho da salvação e da vida eterna, mas no meio dessa estrada existe uma cruz. Os discípulos não esperavam por isso, não contavam com esse lado da vida cristã. Por isso, quando Jesus foi preso, todos os discípulos fugiram. O cristianismo não se constitui apenas das bênçãos que recebemos de Deus. Existe uma cruz no meio do caminho. Cada um de nós tem a sua cruz. Isto significa toda situação difícil em que somos tentados a fazer prevalecer nossa vontade própria em detrimento dos princípios cristãos. Se escolhemos a vontade de Deus, mesmo em meio ao sofrimento, então crucificamos a nossa carne com suas paixões e concupiscências e permanecemos em nossa posição de fidelidade ao Senhor.

Ser fiel a Deus no meio das bênçãos é muito fácil. Ele espera que sejamos fiéis também no momento da dificuldade. Nossa fidelidade deve ser incondicional. Se Deus nos abençoar seremos fiéis. Se ele não nos abençoar em determinada situação, devemos continuar sendo fiéis. Se Deus nos curar ou não curar; se ele atender nossa oração ou não atender; de qualquer maneira nossa fidelidade deve continuar a mesma. Essa foi a determinação de Mesaque, Sadraque e Abedenego. Se Deus os livrasse da fornalha ou não livrasse, de qualquer modo eles não adorariam à imagem construída por Nabucodonozor. Permaneceriam fiéis a Deus.

Vejamos algumas situações em que nossa fidelidade é colocada em prova:

1- Fraquezas e desejos pessoais. Muitas pessoas abandonam a vida cristã sem nem mesmo terem sido tentadas pelo Diabo. Caíram sozinhas. Foi sua própria inclinação carnal que as conduziu à queda. É o caso daqueles que usam qualquer motivo para abandonar o evangelho.

2 - Tribulações, tentações, provações e perseguições. Todos esses elementos podem ser reunidos na seguinte frase: momentos em que fica difícil ser cristão. As pessoas estão contra nós, ou as oportunidades nos sugerem que tudo ficaria mais fácil se negássemos nossa fé e renunciássemos ao nosso compromisso com Deus. Nessa hora, o Diabo pode estar agindo para que desistamos da nossa fidelidade. E Deus espera que fiquemos firmes na vida cristã. Por um tempo determinado, Deus não interfere na situação. Ele deixa que nós decidamos por conta própria se vamos continuar a servi-lo ou não. Observe que quando a serpente tentou Eva ou quando o Diabo tentou a Cristo, Deus não interferiu.

Quando o Diabo nos tenta, ele se apresenta como um "amigo". Parece que ele quer nos ajudar. É o caso, por exemplo, quando um crente desempregado, recebe uma proposta para ganhar dinheiro com algo ilícito ou que contraria os princípios bíblicos. Nessas horas, ele nos oferece justamente o que estamos querendo ou precisando, mas, em troca, ele estará conseguindo seu objetivo: o fim da nossa fidelidade a Deus.

Quando o Diabo nos persegue, ele se mostra como realmente é: nosso inimigo. Nesse momento, vem a perseguição e novamente nossa fidelidade a Deus é colocada em prova.

Vamos resistir a todos esses desafios? Até quando seremos fiéis a Deus? Cada um deve fazer essa pergunta a si mesmo.

Como podemos ter essa fidelidade para com o Senhor? Precisamos ter, antes de mais nada, um propósito firme de sermos fiéis a Deus. Essa é a determinação que devemos ter. Ao invés de ficarmos determinando o que Deus deve fazer, devemos determinar é que seremos obedientes e fiéis a ele. Além disso, devemos adquirir uma base espiritual bem sólida através do conhecimento da Palavra de Deus, a Bíblia. "Escondi a tua Palavra no meu coração para não pecar contra ti." (Salmo 119.11). É através do conhecimento bíblico que seremos capazes de identificar as sugestões do Diabo em nossas vidas, e, assim, poderemos rechaçá-lo dizendo: "Está escrito..." Precisamos também buscar ao Senhor por meio de jejum e oração afim de termos experiências com Deus. Assim, não ficaremos apenas no nível do "cristianismo teórico ou filosófico".

Vamos reforçar nosso fundamento espiritual para que sejamos como a casa construída sobre a rocha, a qual resiste aos ventos, aos rios, à chuva e a todas as tribulações. E toda a nossa fidelidade será recompensada pelo Senhor porque ele disse: "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida." Vamos recusar as ofertas do Diabo. Sejamos fiéis ao Senhor, e a coroa da vida estará garantida na eternidade.

A muralha de Jericó



Texto: Js.6.1-21; Heb.11.30; II Cor.10.4-5


Introdução: A cidade de Jericó era cercada por uma muralha tão larga que sobre ela havia casas. Raabe morava numa delas.

1- As nossas muralhas.

A muralha era o grande obstáculo entre o povo de Deus e a cidade a ser conquistada. Muitas muralhas se levantam contra nós.

São grandes problemas, aparentemente insolúveis.

2- As soluções humanas.

Josué poderia criar alternativas para tentar solucionar o problema: saltar sobre a muralha? Cavar um túnel por baixo? Perfurar a muralha?

Nada disso seria possível. Muitas pessoas buscam soluções inadequadas ou até ilícitas para os seus problemas.

3- A solução divina.

Muitas vezes, precisamos de uma interferência divina em nossas vidas. Só Deus poderia derrubar aquela muralha.

Para isso, os israelitas precisavam ter consigo a arca da aliança, que representava a presença de Deus e o seu compromisso com Israel.

Precisavam também obedecer à ordem de rodear a cidade. Além da fé, precisamos agir de acordo com as ordens de Deus.

Outro fator importante era o tempo. Eles precisavam ser pacientes e perseverantes, pois só depois de 7 dias é que a vitória viria.

Conclusão: Precisamos de compromisso com Deus, sua presença conosco, fé, ação em obediência, paciência e perseverança para alcançarmos a vitória.

Preparando-se para o grande encontro




1Então, o Reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. 2E cinco delas eram prudentes, e cinco, loucas. 3As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. 4Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. 5E, tardando o esposo, tosquenejaram todas e adormeceram. 6Mas, à meia-noite, ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo! Saí-lhe ao encontro! 7Então, todas aquelas virgens se levantaram e prepararam as suas lâmpadas. 8E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. 9Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós; ide, antes, aos que o vendem e comprai-o para vós. 10E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. 11E, depois, chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, senhor, abre-nos a porta! 12E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. 13Vigiai, pois, porque não sabeis o Dia nem a hora em que o Filho do Homem há de vir.  MT. 25. 1-13

INTRODUÇÃO:

Jesus compara o evento da sua segunda vinda a uma alegre procissão de casamento, exemplificando a necessidade do preparo para a sua volta, em ambos os eventos os não preparados não podem entrar.

CONTEXTO:

Um casamento Judeu era sempre precedido de um ritual, isso gerava uma certa expectativa nos participantes que tinham que se preparar com antecedência, todos os passos eram ensaiados várias vezes para que nada desse errado, pois o casamento em si dependia muito desse ritual. Algumas virgens eram selecionadas para serem acompanhantes da noiva, geralmente eram suas amigas, enquanto que alguns amigos do noivo também eram convidados para acompanhá-lo. No dia do casamento a noiva ficava em uma casa com as virgens, suas amigas, preparadas e adornadas, munidas de lâmpadas e azeite. O noivo ficava em outro lugar com os seus amigos e em um certo momento saiam para buscar a noiva com as suas acompanhantes. Todos levavam lâmpada e azeite, era parte do ritual durante todo o percurso as lâmpadas permanecerem acesas, em nenhum momento poderiam apagar-se, e muitas vezes o percurso era longo e para manter as lâmpadas acesas era necessário azeite de reserva. Depois de andar por todo o percurso de ida com as lâmpadas acesas o noivo com os seus amigos chegavam ao lugar onde a noiva com as suas amigas estavam a esperar, então se dava o encontro só que quando o percurso era longo os homens gastavam uma grande parte do seu azeite, então era responsabilidade das mulheres iluminarem o caminho de volta. Após o encontro, o noivo levava a noiva e todos os seus amigos juntos para o evento principal que era a cerimônia de casamento. Porém quando eles entravam na casa para festejarem as portas se fechavam e depois disso qualquer outro que chegasse seria considerado indigno ou não convidado.

ALGUMAS COMPARAÇÕES QUE PODEMOS FAZER:

A quem se comparam as virgens? São comparadas com os crentes de hoje. (ALGUNS PRUDENTES, ALGUNS NEGLIGENTES)

A quem se compara o noivo? O noivo é Cristo que vem buscar a sua noiva, a igreja, e aqueles que acompanharão deverão estar preparados.

O que é o azeite? O azeite é a reserva do crente, assim como as virgens precisavam de azeite além das lâmpadas acesas, o crente precisa ter algo a mais. Não basta apenas ser crente, tem que estar preparado. É o agir do espírito Santo, não a manifestação, como muitos dizem, mas as obras que realizamos através dEle.

QUAIS AS LIÇÕES QUE APRENDEMOS?

1º lugar- Todos teremos um encontro com Jesus: (II Corintios 5:10) Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal. A maneira se Dará o encontro é nisso que devemos pensar.

2ºlugar- Não devemos apenas esperar o dia do encontro, mas prepararmo-nos para esse dia. V. 4. (II Corintios 11:2,3) Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo. Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.

3ºlugar- O fato de parecer tardia a vinda de cristo, não quer dizer que ele não venha mais, assim como o noivo ele virá numa hora em que ninguém estará esperando, por isso não devemos ficar descuidados, devemos ter sempre a expectativa que ele breve virá! V. 5 – 10. (Apocalipse 16:15) Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas.

4ºlugar- Estar preparado para o encontro com Jesus implicará em subir com ele na sua vinda e entrar pela porta antes que ela se feche. Não estar preparado implicará em ficar de fora, não subir com ele e ter que bater na porta depois.V.11.( Lucas 13:25-27) Quando o pai de família se levantar e cerrar a porta, e começardes, de fora, a bater à porta, dizendo: Senhor, SENHOR, abre-nos; e, respondendo ele, vos disser: Não sei de onde vós sois; Então começareis a dizer: Temos comido e bebido na tua presença, e tu tens ensinado nas nossas ruas. E ele vos responderá: Digo-vos que não sei de onde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais a iniqüidade.

CONCLUSÃO:

É fato sim que todos um dia hão de encontrar-se com Jesus, mas em que ordem se dará esse encontro? Como você quer se encontrar com Ele? Nas nuvens ou mediante o Seu tribunal para ser julgado? Para receber galardão ou punição? Para festejar ou lamentar?... Hoje você pode começar a definir a como se dará o seu encontro com Jesus!  (Mateus 10:32-33)Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus.Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.

Mantendo o fogo aceso

Imprimir E-mail

 

Texto: Lv 6:8-13


Disse mais o SENHOR a Moisés:
9  Dá ordem a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei do holocausto: o holocausto ficará na lareira do altar toda a noite até pela manhã, e nela se manterá aceso o fogo do altar. 10  O sacerdote vestirá a sua túnica de linho e os calções de linho sobre a pele nua, e levantará a cinza, quando o fogo houver consumido o holocausto sobre o altar, e a porá junto a este. 11  Depois, despirá as suas vestes e porá outras; e levará a cinza para fora do arraial a um lugar limpo. 12  O fogo, pois, sempre arderá sobre o altar; não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o holocausto, e sobre ele queimará a gordura das ofertas pacíficas.
13 O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará. (Lv 6:9, 12 e 13).

O que precisamos fazer para mudar o rumo das nossas vidas para o rumo de Deus? Há uma ênfase neste texto de que o fogo deveria ser mantido aceso sobre o altar.

- Como nós devemos manter o fogo aceso em nossas vidas?
- O que o fogo representa para nós?

1°) O FOGO representa a presença de Deus

- No capítulo 9 de Levítico Arão apresenta o 1° Bezerro. No v. 23 e 24 diz que quando Moisés e Arão entra na Tenda do Senhor, o FOGO de Deus consumiu o holocausto.

23  Então, entraram Moisés e Arão na tenda da congregação; e, saindo, abençoaram o povo; e a glória do SENHOR apareceu a todo o povo. 24  E eis que, saindo fogo de diante do SENHOR, consumiu o holocausto e a gordura sobre o altar; o que vendo o povo, jubilou e prostrou-se sobre o rosto. Levítico 9.23-24

- O sobrenatural entra no natural. O invisível entra no visível. O FOGO REPRESENTA A PRESENÇA DE DEUS.

- SARÇA ARDENTE: Deus manifesta a sua presença no meio do fogo na sarça ardente perante Moisés. Moisés viu o FOGO de Deus, a glória de Deus. A primeira coisa que Moisés ouviu foi: “Retire as sandálias dos pés porque o lugar em que estás pisando é santo”. Deus pegou um arbusto. Algo sem beleza alguma e o transformou em glória.

- NO DESERTO: De dia Deus se manifestava numa coluna de nuvem e de noite ele se manifestava numa coluna de FOGO. Deus quer tirar de nós toda escuridade e frieza espiritual da sua vida. Ainda de noite vamos caminhar na nossa vida. Vou estar debaixo da presença de Deus de Noite.

- ELIAS NO MONTE CARMELO: Elias enfrentou homens sem nenhum escrúpulo em sacrificar qualquer coisa para o seu deus. Elias estava sozinho, mas na presença de Deus. Elias clamou a Deus e Deus se manifestou como FOGO; o FOGO que queimou o holocausto, a lenha e ainda lambeu a água que havia sido derramada numa vala. O FOGO é que faz a diferença entre o santo e o profano.

- BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO E COM FOGO: João se referia a Jesus como aquele que batiza com o Espírito Santo e com fogo.

- FOGO: Presença de Deus no ministério de Jesus Cristo. O FOGO que curava os enfermos, libertava os endemoninhados, ressuscitava mortos, curava os leprosos....

- O FOGO NO PENTECOSTES: Depois da oração o Espírito Santo desceu sobre os 120 que estavam reunidos no Cenáculo na forma de Línguas de FOGO, labaredas de FOGO.

O FOGO REPRESENTA A PRESENÇA DE DEUS.

- Hb 12: 28-29 nos diz que Deus é FOGO consumidor.

28 Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; 29 porque o nosso Deus é fogo consumidor.  Hb 12: 28-29

- NADABE e ABIÚ ofereceram fogo estranho para Deus e foram consumidos pelo fogo de Deus. Eles não pegaram fogo do braseiro do altar onde o fogo era consagrado e santo. Eles pegaram fogo de outro lugar e Deus os consumiu com fogo.

- DEUS NÃO BRINCA! Deus é fogo consumidor. De Deus não se zomba.

- O FOGO também significa PAIXÃO em nosso coração. Em 1° Coríntios 7 a palavra ABRASADO significa ardendo de paixão. Quem está apaixonado tem que estar perto. O FOGO representa o coração ardendo e apaixonado.

- “É a PAIXÃO que consome os pensamentos, que iluminam a fala, que move a alma e carrega as emoções.”

- VAMOS TRANSPOR ESTA PAIXÃO TODA PARA CRISTO!

- Mateus 24:12 nos diz que por se multiplicar a iniqüidade o amor de muitos esfriariam. Algumas pessoas deixaram de testificar de Jesus Cristo porque deixaram o amor esfriar em seus corações.

2°) O FOGO no altar tem que ter continuidade e pureza

- Segundo os historiadores, o FOGO no altar foi aceso em aproximadamente no ano de 1446 A.C e em 586 A.C foi quando o FOGO foi aceso pela última vez.

- O FOGO perpétuo de Deus significa uma ADORAÇÃO CONTÍNUA na presença de Deus.

- A ADORAÇÃO não depende de nossos sentimentos.

- No Livro de Hebreus capítulo 13:15, o Senhor nos diz que devemos oferecer sempre. Devo louvar a Jesus sempre. Na riqueza, na pobreza, na escassez, na saúde, na doença...

15 Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome.  Hebreus 13.15

- Em Lucas capítulo 2 nos fala de uma viúva com mais de 80 anos de idade. Uma viúva que poderia dizer: “Já perdi tudo, agora vou me casar com Deus.” – Ela adorava a Deus de dia e de noite, conforme o texto abaixo:

36  Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, avançada em dias, que vivera com seu marido sete anos desde que se casara. 37  e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações.  Lucas 2.36-37

- Hebreus 13: 15 diz:
15  Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome.
- Deus diz: “FOI DIFÍCIL CANTAR, ME LOUVAR, MAS EU RECEBI O TEU SACRIFÍCIO, O TEU LOUVOR E A MINHA BÊNÇÃO SERÁ LIBERADA”

- Pureza – Levítico 6:10-11 nos diz:
10  O sacerdote vestirá a sua túnica de linho e os calções de linho sobre a pele nua, e levantará a cinza, quando o fogo houver consumido o holocausto sobre o altar, e a porá junto a este. 11  Depois, despirá as suas vestes e porá outras; e levará a cinza para fora do arraial a um lugar limpo.

- Os sacerdotes deveriam remover as cinzas para fora do arraial. Cinzas não servem mais, já foi queimada, não se aproveita mais. O que é cinza já passou. As cinzas deveriam ser levadas para fora.

- TEM ALGUMA CINZA EM SUA VIDA? Pecado, egoísmo, corrupção...

- VOCÊ NÃO PODE PEGAR NOVAMENTE NAS CINZAS.

- AS CINZAS ABAFAM O FOGO.

- TEM COISAS NA MINHA VIDA QUE É SÓ CINZAS.

DEUS QUER UM FOGO LIMPO E SANTO EM NOSSAS VIDAS.

A morte do púlpito



A igreja evangélica brasileira vive uma tragédia: a morte do púlpito. Nunca na história do protestantismo houve tanto desprezo pela pregação cristocêntrica, preparada com esmero e preocupada com a correta interpretação das Escrituras. O púlpito tem sido substituído pelo altar dos “levitas” ou para os ”sacrifícios” em dinheiro dos mercenários mercantilistas. A “pregação” da Palavra é, hoje, conceituada como qualquer um que sobe na plataforma e começa a falar ou gritar.

Talvez você, lendo esse texto, pense: - “Na minha igreja a pregação é sempre um espaço grande e recebemos visitas de diversos pregadores”. Esse artigo quer alertar que não basta um tempo grande para a pregação e nem que a plataforma esteja cheia de homens engravatados; antes é necessária a avaliação da qualidade dessa pregação. A pregação precisa ser avaliada, assim como fazia os cristãos bereanos, que por sua nobreza, comparam as homilias de Paulo com as Sagradas Escrituras.

Quais são as causas da “morte do púlpito” no evangelicalismo moderno?

 

A) Espiritualidade em baixa é igual à pregação sem qualidade.

A pobreza das pregações é evidente nesses últimos dias, pois isso é consequência direta da pobreza na vida cristã, pois como dizia Arthur Skevington Wood: “Leva-se uma vida inteira para preparar um sermão, porque é necessária uma vida inteira

para preparar um homem de Deus”. Enquanto a espiritualidade da Igreja estiver em baixa, a pregação, por mais espiritual que ela pareça ser, não passará de palavras jogada ao vento. Não basta uma pregação erudita, mas a erudição deve ser acompanhada de contrição, humildade e oração, pois bem escreveu E. M. Bounds: “Dedique-se ao estudo da santidade de vida universal. Sua utilidade depende disso. Seus sermões duram não mais do que uma ou duas horas; sua vida prega a semana inteira.”

Hoje existem muitas igrejas que oram “bastante”, são campanhas atrás de campanhas, mas essas orações não passam de busca “dos próprios deleites” ou de “determinações” de bênçãos. Ora, a oração sem a busca da face de Deus é uma característica do evangelicalismo contemporâneo. Uma igreja que ora errado, logo terá pregadores pobres.

B) A falta de preparo para pregar.

Erudição, esmero e homilética não são inimigos da espiritualidade. Um mito vigente na igreja brasileira é que quem se prepara muito para pregar, terá uma pregação “não ungida”. Isso é mera desculpa de pregador preguiçoso. Você, leitor, já deve ter visto alguém dizer: - “Quando cheguei aqui não sabia o que ia pregar, mas assim que subi nesse altar o Espírito Santo me revelou outra Palavra” ou “Eu não preparo pregação, o Espírito de Deus me revela”… São frases irresponsáveis e brincam com o Espírito Santo, atribuindo a Ele sua preguiça de passar várias horas em estudo e oração para pregar a Palavra.

Hoje, pregar com esboço em papel é quase um pecado em muitas igrejas; alguns olham com “cara feia” para os que levam algo escrito em sua homilia. Será que não sabem que um dos sermões mais impactantes da história, foi literalmente lido pelo pregador. Esse sermão era “Pecadores na mão de um Deus irado”, que Jonathan Edwards pregou em 08 de Julho de 1741 na capela de Enfield. O biógrafo de Edwards, J. Wilbur Chapman , relatou: Edwards segurava o manuscrito tão perto dos olhos, que os ouvintes não podiam ver-lhe o rosto. Porém, com a continuação da leitura, o grande audi­tório ficou abalado. Um homem correu para a frente, cla­mando: Sr. Edwards, tenha compaixão! Outros se agarra­ram aos bancos, pensando que iam cair no Inferno. Vi as colunas que eles abraçaram para se firmarem, pensando que o Juízo Final havia chegado.

C) Ter uma visão pragmática sobre a pregação.

Para muitos, uma pregação só é válida se houver resultados. As pessoas não querem saber se o conteúdo da pregação é bíblica ou herético, mas preferem esperar pelos resultados propagados pelo pregador. A primeira motivação dos pragmáticos é buscar a praticidade, portanto o pragmatismo é casado com o imediatismo, onde tudo tem quer ser aqui e agora.

O conceito de pregação “ungida” é bem pragmática, pois para boa parte da comunidade evangélica, a boa pregação tem que envolver o emocional, nesse contexto nasce frases do tipo “crente que não faz barulho está com defeito de fabricação”. Se não houver choro, gritos, pulos ou outras manifestações “espirituais”, a pregação perde o seu valor para aos cristãos atuais.

Pregadores pragmáticos gostam de ver seus ouvintes interagindo exageradamente no culto. É constante dos pregadores mandarem as pessoas glorificarem e até falar em línguas. Nesses cultos a justificativa para essas ordens é que “quando a glória da Igreja sobe, a glória do céu desce”. Não há respaldo bíblico para esse tipo de pensamento que é passado como algo bíblico. A emoção e as experiências fazem parte da vida cristã, mas não devem normatizar a liturgia ou direcionar os crentes, pois os verdadeiros cristãos tem a Palavra de Deus, e somente Ela, como regra de fé e prática.

D) Pastor-professor X pregador-ator

Eis o dilema existente no evangelicalismo moderno. O pastor-mestre foi substituído pelo pregador-carismático-ator. O mestre que orientava a sua congregação nas Sagradas Letras, sendo um homem de estudos e contemplativo, era característico de piedosos servos de Deus, como Charles Spurgeon, Jonathan Edwards, D. L. Moody etc.

O púlpito tem sido morto pelo estrelismo de pastores-atores, que confundem a plataforma da igreja com um palco para entretenimento, são pessoas que pregam o que a congregação quer ouvir e fazem de seus carismas uma imposição de sua pessoa. Quem estuda a história da igreja, verá que os piedosos servos de Deus, da Reforma as Grande Despertamento do século 18, eram homens de grande interesse pela pregação expositiva, onde o texto fala por si só. A partir do século 19, os sermões são cada vez mais temáticos e os pregadores mais articulados no estrelismo.

O Movimento Pentecostal peca, e gravemente, em não valorizar os sermões bem preparados e articulados, ungidos pelo Espírito Santo, para edificação da congregação. Em uma piedade aparente, muito exaltam a ignorância como virtude, justificando os sermões artificiais, sem profundidade e recheados de chicles, modismos e até heresias.