CURTA NOSSA PÁGINA !!!

Faça parte de nossas redes sociais e nosso canal no youtube.

Não nos deixes cair em tentação


Tem acontecido atualmente com tanta frequência que já não nos surpreende: líderes proeminentes, políticos, executivos, esportistas e até membros do clero, cometendo infrações éticas ou pegos em meio a sérios escândalos. É o mundo em que vivemos! Ao longo da história, líderes reconhecidos e poderosos, caíram de suas posições de influência às profundezas de imensos fracassos.

Mas não seria essa a norma? Afinal não é o que diz o adágio: “Poder corrompe; e poder absoluto corrompe absolutamente?”

Podíamos argumentar que ninguém é perfeito. Ou usar como defesa: “Somos apenas humanos”. Embora sejam ambas verdadeiras em certa medida, não desculpam comportamentos antiéticos ou imorais. O fato de tais atos ainda chocar, ressalta a realidade que padrões éticos e valores morais ainda é o que esperamos de nossos líderes. A questão, porém, não é como convencer esses líderes a viver de acordo com exigências éticas e morais; mas como você e eu podemos permanecer fiéis àquilo que sabemos ser certo ou errado?

Ao ler o Manual de Negócios atemporal, conhecido pelo nome de Bíblia, encontramos a seguinte avaliação da condição humana: “Não há uma só pessoa que faça o que é certo” (Romanos 3.10).

Ela não serve de justificativa para falta de integridade ou recusa em seguir regras morais comumente aceitas. Ao contrário, as Escrituras oferecem avisos e sugestões de como se ater  e manter – a elevados padrões de comportamento.

Ninguém está imune. Anos atrás o líder de uma importante organização sem fins lucrativos declarou: “A única área em que jamais falharei é a dos relacionamentos”. Poucos anos mais tarde ele foi apanhado em adultério com sua assistente administrativa. A Bíblia alerta: “Portanto, aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair” (1 Coríntios 10.12).

Cuidado quando tudo estiver bem. Somos mais vulneráveis à tentação quando tudo está indo bem e sentimos que temos tudo sob controle. Em tempos assim, temos a tendência de confiar em nossa autossuficiência, e deixamos de depender de Deus: “Eu me senti seguro e pensei: Nunca terei dificuldades”(Salmo 30.6).

Todos nós temos um escape. “Não pude evitar”-é a desculpa esfarrapada quando nos rendemos à tentação e falhamos ética ou moralmente. A tentação pode parecer grande demais, mas se olharmos para Deus, Ele nos capacitará a evitar levá-la para o passo seguinte: o pecado! “Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel: Ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, Ele mesmo lhes providenciará um escape, para que o possam suportar”(1 Coríntios 10.13).

Todos precisam de ajuda. “Sou fraco demais; não resisto à tentação”. Isso até pode ser verdade, mas se acreditamos na Bíblia, ela nos assegura que podemos ser fortalecidos por Jesus Cristo para fazer o que não podemos por nós mesmos: “Porque, quando perco toda a minha força, então tenho a força de Cristo em mim”(2 Coríntios 12.10).

Carreira Profissional X Chamado


Hoje em dia, quase nem se fala em chamado. É mais comum pensar em termos de carreira profissional. No entanto, para muita gente, a profissão se transforma em altar, sobre o qual sacrificam a vida. Benjamin Hunnicutt é historiador da Universidade de Iowa, especializado em história do trabalho. Ele observa que o trabalho se tornou uma religião, objeto de adoração e dedicação de nosso tempo. À medida que o compromisso com a família, a comunidade e a fé encolhem, as pessoas começam a se voltar para o trabalho, na esperança de que este lhes proporcione sentido, relacionamentos, identidade e estima.

O chamado, que implica fazer algo para Deus, é substituído por uma carreira profissional, a qual ameaça assumir o papel de deus.

" A profissão eu escolho; o chamado eu recebo."

Exerço uma profissão para mim mesmo; o chamado é algo que faço para Deus.

A profissão me promete status, dinheiro ou poder; em geral, o chamado promete dificuldades e até certo sofrimento - além da oportunidade de ser usado por Deus.

Profissão diz respeito à mobilidade ascendente; chamado costuma levar à mobilidade descendente.

Logo que ingressei no ministério pastoral, as pessoas às vezes me perguntavam quando eu havia recebido " o chamado", como se atuar na igreja exigisse um chamado, ao passo que uma ocupação no mercado de trabalho apenas fizesse parte de uma carreira profissional. Mas não é assim. Sei muito bem que é possível transformar o trabalho na igreja em uma carreira profissional com progressos e conquistas. Também é possível fazer do emprego secular um chamado, quando realizado para servir a Deus e aos outros.

A carreira profissional pode acabar em aposentadoria e uma porção de " brinquedos". O chamado só termina quando se morre. As recompensas da carreira profissional podem ser visíveis, mas temporárias. A importância de um chamado dura toda a eternidade. A carreira profissional pode ser interrompida por uma série de acontecimentos - mas não o chamado. Quando Deus chama alguém, ele o capacita a cumprir seu chamado mesmo sob as circunstâncias mais adversas.

As Escrituras estão cheias de pessoas escravizadas, capturadas e exiladas, lançadas na prisão. A trajetória profissional dessa gente não parecia promissora. Mesmo assim, cumpriram seu chamado de maneira extraordinária.

O faraó tinha uma carreira profissional - Moisés, um chamado.
Potifar tinha uma carreira profissional - José, um chamado.
Hamã tinha uma carreira profissional - Ester, um chamado.
Acabe tinha uma carreira profissional - Elias, um chamado.
Pilatos tinha uma carreira profissional - Jesus, um chamado.

E não só as personagens das Escrituras.

Charles Colson estava no meio de uma das carreiras profissionais de maior notoriedade dos Estados Unidos. Tinha acesso ao poder, desfrutava enorme influência. Até que foi parar na prisão. Achou que sua carreira chegara ao fim - e, de certa forma, tinha razão. Sua carreira profissional terminara de fato - mas seu chamado estava apenas começando. Seria chamado para servir a homens na cadeia, como ele. Para servir a uma nação inteira com seus dons e sua ruína.

Ele pondera: " Meu maior fracasso foi o real legado de minha vida - o fato de me tornar um ex-condenado. Minha maior humilhação - passar pela cadeia - marcou o momento em que Deus começou a usar minha vida grandemente; ele escolheu, para sua glória, a experiência da qual eu não podia me gloriar ".

Às vezes, na providência de Deus, o fim de uma carreira é o começo de um chamado. E você tem um chamado. Ninguém é uma peça que não serve para nada - você está em missão divina.

Que Tipo de Pai Você É?



Exator - Faz cobranças minuciosas de tudo
Xerox - o filho tem que ser sua cópia perfeita
Expositor = exibe o filho como um produto numa feira

Autocrata - em casa, quem decide, sou eu
Frustrador - corta, pela raiz, qualquer iniciativa
Caxias - se a lei existe, é para ser cumprida

Chantagista - se não fizer isto, é porque não me ama
Irresponsável - resolva isto com sua mãe
Comerciante - só te dou isto, em troca daquilo

Desligado - ignora tudo o que diz respeito ao filho
Inseguro - quem sabe, pode dar tudo errado
Provedor - tranqüiliza-se dando coisas ao filho

Permissivo - o filho pode fazer tudo o que quiser
Proprietário - o filho é meu e faço dele e com ele o que quero.
Promotor - sempre encontra algo para acusar o filho

Educador - ajuda a desabrochar o adulto que está na criança
Formador - leva a sério a formação integral do filho
Democrata - dialoga para chegara um consenso

Disponível - reserva um tempo precioso para o filho
Observador - acompanha atento as etapas do desenvolvimento do filho
Previdente - prepara o filho para aprender com os fracassos porvir

Agradecido - reconhece no filho um presente de Deus, aos seus cuidados
Libertador - alerta que a verdadeira liberdade é um bem que se conquista
Responsável - paga o preço de nunca ser omisso
Religioso - revela que a vida não se limita aos horizontes terrenos.

Paciente - ensina que a maturidade não acontece sem tropeços
Esperançoso - acena para a luz, que está sempre no fim do túnel
Corajoso - enfrenta os combates pelo sentido da vida

Prudente - orienta afazer os passos, de acordo comas pernas
Realista - prepara o filho para viver muito além dos limites da família

A Verdade que Produz Mudança

Imprimir E-mail

Texto baseado em Marcos 10.17-31


Meditando acerca dos princípios que nos levam a viver uma vida na dimensão de aliança proposta e vivida por Cristo, conheceremos uma característica de Jesus: independente das circunstâncias o Mestre sempre falava a verdade.

Seu estilo de vida era baseado em princípios nos quais ele acreditava e alicerçava sua vida, pois assim fortalecia a aliança que ele tinha com o Pai e com seus discípulos. Ao se posicionar ao lado da verdade Jesus promovia novas possibilidades de mudança e transformação, assim como ocorreu na história do jovem rico.

1. A verdade no momento oportuno - Apesar de ter uma vida religiosa exemplar o jovem rico não tinha certeza quanto à salvação da sua alma. Ao abordar, Jesus perguntou a ele o que precisava fazer para herdar a vida eterna. Como se pudesse conseguir a salvação por algum tipo de sacrifício. Sem perder tempo, pois estava de passagem, o Mestre respondeu com firmeza e amor: v 21 - "Só falta uma coisa para você: Vá, venda tudo que tem e dê o dinheiro aos pobres...".  A resposta não agradou alguém que desde a infância conhecia e guardava a lei e os mandamentos. Porém, Jesus não queria que este jovem continuasse no engano, ele não estava condenando as riquezas em si, mas revelou ao moço qual era o alicerce da sua segurança, quem, de fato, dominava seu coração. Assim como Cristo temos aproveitado as oportunidades e colocado a verdade em amor?

2. A verdade como única resposta - O diálogo travado com o jovem apesar de rápido não impediu Jesus de ser objetivo, sem perder tempo e sem rodeios ele falou a verdade. De maneira certeira revelou ao jovem rico os pontos cegos que havia em sua vida espiritual. Ao confrontar o rapaz Jesus expôs sua área de fragilidade. Deus não era prioridade em sua vida, por isso ele não tinha certeza da sua salvação. Sentindo profunda tristeza ele deixou a presença do Mestre e foi embora, queria resolver seu problema sem pagar o preço.  Ele não percebeu que Jesus estava lhe oferecendo uma grande oportunidade, bastava receber e aceitar esta verdade para ter uma nova vida. Quantas vezes Deus tem falado conosco e nós resistimos e não abandonamos nossos pecados? 

3. A verdade como proteção - Jesus não queria trazer tristeza ao coração do jovem, muito pelo contrário, sua intenção era alertá-lo de que sua riqueza se tornara um obstáculo à sua salvação.  Jesus disponibilizou ao moço a chance de abandonar tudo que estava lhe impedindo de ter um compromisso com Deus e receber a vida eterna. Existem muitos inimigos tentando nos tirar da proteção de Deus e do corpo de Cristo, de maneira sutil invadem e minam a nossa fé envolvendo-nos em um ambiente de aparente normalidade. O cuidado do Pai para conosco é indescritível e Jesus é a expressão maior do seu amor por nós. É chegada a hora de nos posicionarmos, devemos exercer o cuidado mútuo, para que cresçamos na santidade que Deus exige.

O crescimento espiritual é um processo natural na vida do cristão, a santidade deve ser encarada como o alvo a ser alcançado. Cristo nos mostrou de maneira prática neste episódio qual deve ser a nossa atitude nos relacionamentos interpessoais. Estabeleceu o Princípio da Verdade como parte da aliança com Deus e com os irmãos. Cabe a nós praticá-lo.

Os jovens também se cansam


Pv. 20.29; Is.40.30-31


Introdução: Em Provérbios 20.29, Salomão elogia a força dos jovens. Porém, Isaías diz que os jovens se cansarão,  ficarão exaustos e cairão. Se os jovens são tão fortes, têm tanta energia e disposição, por quê eles se cansariam e cairíam?

1- A frustração dos objetivos não alcançados.

Emprego, carreira, dinheiro, casamento, e outros sonhos ou necessidades são, muitas vezes, impedidos ou adiados por motivos diversos.

Isto pode causar desânimo e um tipo de cansaço por causa da luta.

2- O cansaço por querer antecipar as coisas ou ir longe demais.

Quem corre muito se cansa. Muitos jovens estão muito apressados para experimentarem os prazeres da vida. Com isso, entregam-se ao sexo ilícito, a relacionamentos superficiais. Isso pode causar um cansaço existencial, quando, ao se chegar a um certo tempo da vida, os prazeres tornaram-se problema porque foram buscados na hora errada. Por exemplo, o sexo ilícito pode trazer gravidez precoce e não planejada, além de doenças, formação familiar inadequada, etc.

3- A força roubada por Satanás.

O Inimigo rouba a força do jovem através do vício da bebida, do fumo e das drogas.

4- A queda do jovem.

Primeiro vem o cansaço, mas o indivíduo tenta continuar com o mesmo tipo de vida. Depois, vem a exaustão, que é um cansaço extremo e imobilizador. O estágio seguinte é a queda. Quantos estão desistindo dos estudos, da família, do trabalho, e até mesmo da própria vida!

Conclusão: Não desista. Coloque Deus na sua história. Jesus disse: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei” (Mt.11.28). “Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças.” (Is.40.31).

O jovem precisa aprender a confiar em Deus e esperar pelo que o futuro lhe reserva, não tentando antecipar aquilo que sua consciência rejeita por ainda não ser o momento certo.

Finanças Restauradas




Introdução: Muitas pessoas são oprimidas na vida financeira apesar de serem filhos de Deus, e esta opressão vem através de brechas ou direitos dados a satanás. O adversário tem usado com maestria estas oportunidades ou brechas para derrotar os servos do Senhor. E isto tem se transformado, na vida de muitos em doenças crônicas que precisam de cura.

Duas doenças crônicas:

1 – Boca do bolso costurado, onde nada entra.
2 – Bolso furado, onde nada fica.

1 – REMÉDIOS PARA A BOCA DO BOLSO COSTURADO

Para a cura desta doença é necessário decisões arrojadas, mudança de hábitos. Isto é, novas iniciativas. Os remédios descritos abaixo são poderosos. Vejamos:

- Disposição para trabalhar – “No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás” (Gn 3.19). “Preguiçoso, aprenda uma lição com as formigas! Elas não têm líder, nem chefe, nem governador, mas guardam comida no verão, preparando-se para o inverno. Preguiçoso, até quando você vai ficar deitado? Quando vai se levantar?” (Pv 6.6-9 NTLH).

- Coragem para enfrentar o mercado de trabalho – “Lembre da minha ordem: “Seja forte e corajoso! Não fique desanimado, nem tenha medo, porque eu, o SENHOR, seu Deus, estarei com você em qualquer lugar para onde você for!” (Js 1.9 NTLH).

- Ter o Senhor como fonte da felicidade – “Que a sua felicidade esteja no SENHOR! Ele lhe dará o que o seu coração deseja” (Sl 37.4).

- Não amar ao dinheiro – “Pois o amor ao dinheiro é uma fonte de todos os tipos de males. E algumas pessoas, por quererem tanto ter dinheiro, se desviaram da fé e encheram a sua vida de sofrimentos” (I Tm 6.10 NTLH).

- Dar, ser liberal, generoso, semeador – “Dêem aos outros, e Deus dará a vocês. Ele será generoso, e as bênçãos que ele lhes dará serão tantas, que vocês não poderão segurá-las em suas mãos. A mesma medida que vocês usarem para medir os outros, Deus usará para medir vocês” (Lc 6.38 NTLH). Jesus disse: — “O Reino de Deus é como um homem que joga a semente na terra. Quer ele esteja acordado, quer esteja dormindo, ela brota e cresce, sem ele saber como isso acontece. É a própria terra que dá o seu fruto: primeiro aparece a planta, depois a espiga, e, mais tarde, os grãos que enchem a espiga. Quando as espigas ficam maduras, o homem começa a cortá-las com a foice, pois chegou o tempo da colheita” (Mc 4.26-29 NTLH).

2 – REMÉDIOS PARA O BOLSO FURADO

Tão importante quanto as iniciativas acima, para cura do bolso costurado, são também as iniciativas descritas abaixo, para curar o bolso furado, ou fechar as brechas para que o adversário não encontre oportunidade para roubar. Vejamos:

- Sabedoria – “Porque melhor é a sabedoria do que jóias, e de tudo o que se deseja nada se pode comparar com ela” (Pv 8.11). “Feliz é a pessoa que acha a sabedoria e que consegue compreender as coisas” (Pv 3.13 NTLH).

- A bênção de Deus – A bênção do SENHOR Deus traz prosperidade, e nenhum esforço pode substituí-la” (Pv 10.22 NTLH). “O SENHOR te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo e para abençoar toda obra das tuas mãos; emprestarás a muitas gentes, porém tu não tomarás emprestado” (Dt 28.12).

- Ser dizimista fiel – “Eu pergunto: “Será que alguém pode roubar a Deus?” Mas vocês têm roubado e ainda me perguntam: “Como é que estamos te roubando?” Vocês me roubam nos dízimos e nas ofertas.Todos vocês estão me roubando, e por isso eu amaldiçôo a nação toda. Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, ordeno que tragam todos os seus dízimos aos depósitos do Templo, para que haja bastante comida na minha casa. Ponham-me à prova e verão que eu abrirei as janelas do céu e farei cair sobre vocês as mais ricas bênçãos. Não deixarei que os gafanhotos destruam as suas plantações, e as suas parreiras darão muitas uvas. Todos os povos dirão que vocês são felizes, pois vocês vivem numa terra boa e rica. Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, estou falando” (Ml 3.8-12 NTLH).

Conclusão: Veja a promessa que Jacó fez a Deus quando ele fugia de seu irmão Esaú, descrita em Gn 28.20-23: “Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista, de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o SENHOR será o meu Deus; e a pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo” (Gn 28.20-22). Veja o resultado da iniciativa e a fidelidade de Deus descrita em Gn 30.43: “E o homem se tornou mais e mais rico; teve muitos rebanhos, e servas, e servos, e camelos, e jumentos”

O Cristão e os Problemas Financeiros


Você está enfrentando problemas financeiros? Faturas que você não consegue pagar? Cheques que você não pode cobrir? Necessidades que você não tem dinheiro para suprir? Vergonha? Frustração? Excesso de trabalho? Tensão? Problemas financeiros são excessivamente preocupantes e conduzem a muitos pecados: descontentamento, ingratidão, ira, desonestidade, impaciência, ansiedade e negligência das responsabilidades espirituais. A Bíblia ensina-nos como enfrentar muitas situações diferentes na vida, incluindo as dificuldades financeiras. A chave para enfrentar problemas financeiros está na atitude da pessoa. Para responder bem precisamos permitir que a palavra de Deus opere em nosso coração e mude nosso modo de ver as coisas.

Atitudes

Gratidão: Paulo insiste em que sejamos gratos. Precisamos estar "... transbordando de gratidão"(Colossenses 2:7). "Dêem graças em todas as circunstâncias..."(1 Tessalonicenses 5:18). Não devemos nos queixar nem sentir pena de nós mesmos, mas antes devemos considerar cuidadosamente todas as razões que temos para sermos agradecidos e louvar a Deus por suas bênçãos a nós. Os israelitas no deserto estavam se queixando constantemente, mas tinham se esquecido da grande libertação que Deus lhes tinha dado havia apenas pouco tempo. Temos que atentar para o que o Senhor nos tem dado e não para as coisas que não temos.

Contentamento: "Conservem-se livres do amor ao dinheiro e contentem-se com o que vocês têm, porque Deus mesmo disse: ‘Nunca o deixarei, nunca o abandonarei’"(Hebreus 13:5). A presença de Deus com seu povo deveria dar tanta alegria e segurança que poderíamos facilmente nos contentar com qualquer padrão de vida. Paulo estava contente na fome ou na abundância (Filipenses 4:10:13). Por outro lado, as Escrituras estão repletas de advertências contra a ganância e a avareza (veja Lucas 12:15, por exemplo). Por qualquer razão, nunca parecemos reconhecer o desejo desordenado por coisas em nossas próprias vidas. Pensamos que todas as coisas que queremos são necessidades e que a dívida que acumulamos ao buscar adquiri-las é perfeitamente aceitável. Poderia ser que poucos de nós admitem a ganância em nossas vidas porque nos cegamos e deixamos de perceber o verdadeiro estado de nosso coração? Paulo exortou: "Por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos" (1 Timóteo 6:8). Estamos satisfeitos somente com isto?

Sobriedade: Muitos textos nos exortam a sermos sóbrios (1 Tessalonicenses 5:6, 8; 1 Pedro 1:13; 4:7; 5:8). A pessoa sóbria encara os fatos e não deixa seus desejos colorirem sua percepção da realidade. Muitas pessoas tratam das finanças num mundo de sonho, sempre imaginando que tudo dará certo magicamente. Mas fugir de um problema ou negá-lo não ajuda e não está de acordo com o caráter de Cristo. Temos que reconhecer nossa situação atual, não importa quão triste seja, e ser "homens de coragem" (1 Coríntios 16:13). Ignorar os problemas não os extingue. Lutas financeiras não desvanecem sem mais nada, mas precisam ser resolvidas por disciplina séria e perseverante.

Honestidade: A honestidade é parte do caráter cristão (2 Coríntios 8:21; Tito 2:5). Pessoas honestas aceitam suas limitações financeiras e não tentam ser uma coisa que não são, vivendo num estilo de vida que suas condições não permitem. Pessoas honestas admitem que há muitas coisas que outras em torno delas têm ou podem fazer que elas não podem porque não têm dinheiro suficiente para isso. E pessoas honestas não fazem dívidas que não têm capacidade para pagar (veja Romanos 13:8).

Diligência: Algumas vezes, porém nem sempre, os problemas financeiros resultam da preguiça. "Tirando uma soneca, cochilando um pouco, cruzando um pouco os braços para descansar, a sua pobreza o surpreenderá como um assaltante, e a sua necessidade lhe sobrevirá como um homem armado"(Provérbios 6:10-11). "Por causa da preguiça, o telhado se enverga; por causa das mãos indolentes, a casa tem goteiras"(Eclesiastes 10:18). Problemas financeiros devem ser esperados quando nos mimamos com descanso e sossego, e não trabalhamos esforçadamente. Um homem deve sustentar sua família (1 Timóteo 5:8) mesmo que isso possa envolver trabalho difícil ou empregos desagradáveis, ou mesmo se o trabalho disponível é relativamente mal pago.

Espiritualidade: Precisamos manter nosso foco principal em Cristo, não em coisas materiais. "Ninguém pode servir a dois senhores: pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro... Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas" (Mateus 6:24, 33). Nossas posses, nossa posição e nosso sucesso nesta vida são matérias insignificantes para o verdadeiro cristão. Ele se vê como meramente passando através desta vida como um peregrino e portanto relativamente desinteressado nas suas condições. Ele nunca faz da prosperidade material uma meta séria (veja Lucas 9:57-58). O homem espiritual percebe que seu dinheiro e sua posição financeira não são as coisas importantes da vida.

Altruísmo: O servo do Senhor está sempre buscando dar, em vez de gastar consigo mesmo. Ele vê o dinheiro que ganha trabalhando como uma bênção que ele pode aplicar servindo a outros: "O que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo algo de útil com as mãos, para que tenha o que repartir com quem estiver em necessidade"(Efésios 4:28). Discípulos verdadeiros vêem a prosperidade material não tanto como algo para si mesmos, mas como algo útil para servir outros (2 Coríntios 9:8-11). Enquanto o cristão for egoísta, ele sempre sentirá frustrações ao lidar com assuntos financeiros.

Humildade: A humildade para admitir enganos e buscar corrigi-los é básica. Muitos de nós temos tido atitudes impróprias e não temos administrado bem nosso dinheiro. Nunca mudaremos até que admitamos que temos estado errados. Precisamos também ter a humildade de examinarmo-nos à luz da palavra de Deus e fazer as coisas que aprendermos (Tiago 1:21-24). Esta seria uma boa hora para parar de ler este artigo e rever as oito atitudes que precisamos ter e tentar honestamente avaliar-nos e resolver mudar nossa atitude nas áreas necessárias. Como Deus nos vê em cada uma destas atitudes?

Mudanças Específicas

As coisas específicas que precisamos fazer ao lidar com problemas financeiros dependem de nossa mudança e adoção das atitudes mencionadas acima. Sem perspectivas corretas, os passos seguintes terão pouca validade.

Avalie honestamente sua situação. Encare os fatos. Talvez ajudasse pegar uma folha de papel e lançar todas as suas dívidas e anotar os valores de todas. Então, lançar sua renda e suas despesas mensais. Qual é, exatamente, sua situação financeira.

- Comece a pagar suas dívidas."Não devem nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros..." (Romanos 13:8). Calcule quanto dinheiro por mês é necessário para pagar todos os juros e, também, comece a pagar o principal (o valor original do empréstimo, antes do acréscimo de juros). Se suas prestações e obrigações mensais forem mais do que tem disponível no orçamento da família, ha três coisas que poderia fazer de modo a ter dinheiro para pagar as dívidas: (a) Gastar menos.Quando for necessário, as despesas podem ser reduzidas às mínimas necessidades de comida e lugar para viver (veja 1 Timóteo 6:6-10). (b) Ganhar mais.Às vezes há oportunidades para trabalhar mais horas, ter um segundo emprego, ou encorajar os filhos adolescentes ou adultos que estejam vivendo no lar a trabalharem. (c) Vender coisas.Os cristãos primitivos vendiam casas e terras para aliviar as necessidades de seusirmãos (Atos 4:32-37); certamente não é irracional esperar que um discípulo de Cristo venda coisas para poder pagar o que deve.0142

Viva dentro dos limites de seu orçamento.A Bíblia adverte sobre a loucura de fazer dívidas: "O rico domina sobre o pobre; quem toma emprestado é escravo de quem empresta" (Provérbios 22:7). A escravidão aos credores é muito penosa; é melhor esperar pacientemente e comprar somente aquelas coisas que se pode pagar.

- Comece a aplicar sua renda no sentido de metas espirituais. Temos que chegar a ver tudo o que temos como pertencendo ao Senhor e começar a usar nossos recursos para servi-lo. O Novo Testamento exorta-nos a dar generosa e abundantemente (2 Coríntios 8-9). Conquanto seja verdade que não estamos mais obrigados ao dízimo, não devemos usar isso como uma desculpa para sovinice. Não devemos permitir que nossa oferta seja diminuída pela avareza (2 Coríntios 9:5).

Conclusão

Em todas as áreas da vida, a palavra do Senhor nos fornece a orientação perfeita. Da mesma maneira, no campo financeiro devemos dar ouvidos à sabedoria de Deus revelada na Bíblia. Quando obedecemos os mandamentos do Senhor, recebemos tanto "a promessa da vida presente"como a da vida "futura"(1 Timóteo 4:8). Que sigamos estas instruções!

Porque estudar as seitas


1. Eis algumas razões porque estudar as seitas;

· Porque Jesus advertiu-nos dizendo:

"Guardai-vos dos [falsos profetas], que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores." Mateus 7:15

· Porque os apóstolos alertaram dizendo:

"Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios." I Timóteo 4:1

"Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição." II Pedro 2:1.

"Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus; porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo." I João 4:1.

"Amados, enquanto eu empregava toda a diligência para escrever-vos acerca da salvação que nos é comum, senti a necessidade de vos escrever, exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos. Porque se introduziram furtivamente certos homens, que já desde há muito estavam destinados para este juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de nosso Deus, e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo." Judas 3,4.

2. Qual a Importância de se Estudar sobre as Seitas?

a) Nos capacita a combatê-las.

Precisamos conhecer não só o que nos mesmos cremos, ou seja, a doutrina cristã, mas como também, da mesma maneira, tentar entender a miscelânea de heresias que são propagadas pelas seitas. Só assim poderemos estar bem equipados para o combate da fé.

b) Nos auxilia na evangelização.

Nosso povo brasileiro é um povo que por natureza é tendencioso ao misticismo, à religiosidade e à crendices, se tornando presas fáceis nas mãos das seitas. O Brasil é um campo fértil não só para o evangelho mas também para as falsas religiões. É imprescindível que o evangelista conheça as doutrinas das seitas para obter sucesso na evangelização ao abordar um pecador adepto de alguma seita.

"Argumentava, portanto, na sinagoga com os judeus e os gregos devotos, e na praça todos os dias com os que se encontravam ali.

Ora, alguns filósofos epicureus e estóicos disputavam com ele. Uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece ser pregador de deuses estranhos; pois anunciava a boa nova de Jesus e a ressurreição." Atos 17:17,18.

c) Aumenta nossa fé.

Ao adentrarmos no ramo da heresiologia nossa fé é aumentado de duas maneiras:

Primeira - Para combatermos as heresias somos impelidos a estudar mais a teologia e as doutrinas essências da fé cristã tais como: Salvação, Trindade, inferno etc. Tudo isso resulta em mais edificação espiritual.

Segunda - Ao estudarmos as aberrações doutrinárias das seitas somos capazes de avaliarmos quão alicerçados estamos no evangelho da graça de Deus e como o evangelho genuíno de Cristo é simples e descomplicado ante as incoerências heterodoxas das seitas. Isto serve como um antídoto contra as heresias das seitas.

d) Aumenta nossa responsabilidade.

Sabendo da importância de combater o bom combate da fé nossa responsabilidade se torna maior ainda para com os pecadores ou como diz o profeta: "Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; se não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca do seu mau caminho, a fim de salvares a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniqüidade; mas o seu sangue, da tua mão o requererei." Ezequiel 3:18.

O Vôo da Águia





Em Isaías 40.31 lemos: “mas os que esperam no SENHOR renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.”

A águia mencionada na Bíblia é a águia dourada da terra de Israel, a mais rápida de todas. Sua velocidade varia entre 175 e 225 quilômetros por hora e às vezes é ainda maior.

O que ajuda as águias a alcançar essa velocidade tão grande é sua estrutura óssea, pois elas têm ossos ocos que pesam pouco. Por outro lado, suas enormes asas permitem alcançar grande altitude, velocidade e força. O Antigo Testamento não apenas compara Deus à águia, mas elogia e louva seu vôo ligeiro. Vejamos algumas passagens:

Êxodo 19.4 diz: “Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águia e vos cheguei a mim”.

2 Samuel 1.23, falando sobre Saul e Jônatas, diz: “...eram mais ligeiros do que as águias...”

Jó 9.26 fala: “Passaram como barcos de junco; como a águia que se lança sobre a presa”.

O que podemos aprender do vôo da águia?

Primeiramente, a águia se esforça para se elevar. Como é uma ave grande, precisa empenhar-se para levantar vôo, já que pesa em torno de sete quilos. Mas, uma vez alcançada a altura, ela sabe aproveitar as brisas e plana tranqüilamente com suas asas estendidas. Você sabia que as asas dela são mais fortes que as de um avião?

O crente-águia esforça-se em sua vida espiritual. Consagra-se diariamente, exercita-se espiritualmente através do estudo da Bíblia, da oração, do serviço, do testemunho, etc. Quanto mais busca a Deus, mais alto voa e, quando alcança as alturas espirituais, descansa na brisa de Deus e deixa que os ventos da graça e da misericórdia do Senhor ajudem-no a se sustentar e a descer.

Quando o crente cumpre sua parte, Deus faz a dEle. Porém, muitos crentes, ao invés de deixarem as suas asas estendidas, movimentam-se incessantemente até cansarem. Diríamos que não sabem mover-se em Deus. Devem aprender a esperar no Senhor.

Em segundo lugar, com referência ao vôo da águia, podemos afirmar que ela move as suas asas com precisão. Muitos cristãos não sabem quando devem dizer “basta”. É necessário depender de Deus, saber quando parar de bater as asas para deixar o Senhor atuar. Cuidado com o mau uso e com o abuso das asas. A doutrina da graça convida-nos a estendê-las e a descansar nas promessas do Senhor e na obra de Jesus Cristo na cruz do Calvário.

O legalismo faz-nos depender muito de nós mesmos e pouco de Deus, pois diz: “Faça isso, e mais aquilo e assim você agradará a Deus”.

A graça nos diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11.6). Tudo o que fizermos para Deus tem de ser feito com fé. Estenda as suas asas, deixe-as planar e firme-se na fé e na esperança. Deus o sustentará para que você não caia.

No Salmo 91.4 está escrito: “Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro...” E, em Judas 24 a Bíblia diz: “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória...”

Em terceiro lugar, recordemos que a águia busca as alturas, ao contrário dos abutres, que fazem seus ninhos baixos, comem carniça e sobem pesadamente a um galho de árvore para fazer sua digestão. Podemos dizer que abutres e urubus são aves preguiçosas. A águia é mais ativa, o macho e a fêmea trabalham juntos em tudo. O abutre gosta da planície, do que está embaixo. A águia gosta das alturas, do que está em cima. Podemos dizer que o abutre representa o não-convertido e a carne, enquanto a águia representa o crente e o Espírito.

O crente não é como o abutre que, como ave gregária, anda com todo mundo. O crente associa-se com os poucos de Deus. As galinhas são de baixo, as águias são de cima; a galinha é medrosa, a águia é valente, brava e sabe se defender com as garras e o bico. O crente-águia é chamado a ser radical em sua guerra espiritual. Não retrocede diante do inimigo, mas avança sem temor e, como a águia, voa por cima das tormentas que encontra pelo caminho.

Irmão águia, voe por cima das circunstâncias, olhando para Cristo, como diz o apóstolo Paulo em Colossenses 3.1-3: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.”

Vença o Cativeiro





Mateus 6:19-34


Introdução: Um dos grandes males dos nossos dias é a ansiedade, especialmente no que diz respeito ao nosso sustento e às nossas necessidades. Jesus chama para segui-lo um grupo de homens, os quais estavam sujeitos às mesmas ansiedades materiais características de toda a espécie humana.

Por exemplo: Pedro trabalhava numa indústria pesqueira; Simão o Zelote, era um radical de extrema esquerda; Mateus era um fiscal de renda; Zaqueu era um alto funcionário da fiscalização de impostos da Prefeitura de Jericó; André era pescador e foi relações públicas do colegiado Apostólico; Lucas foi um médico que socializou a sua profissão.

Todos esses homens corriam o risco de cair na ansiedade pelos bens deste mundo.

Razões para Não Cairmos na Ansiedade:
O texto mostra oito razões para dizermos não a ansiedade:

1ª) Porque os bens deste mundo podem ser roubados ou deteriorados (v.19-21).

2ª) Porque os bens deste mundo podem poluir a vida com a cobiça (v.22-23). Os olhos são a lâmpada do corpo (vide Pv. 23:4-5).

3ª) Porque os bens deste mundo exigem do homem uma dedicação de servo, e o homem é colocado entre duas opções (v.24). A ansiedade é um sentimento dos escravos dos bens materiais.

4ª) Porque uma das estratégias do inimigo é fazer o homem lutar por coisas que não relação com aquilo que é a sua necessidade básica (v.25 e Pv. 30: 8). O Espírito em comunhão com Deus é quem determina a plenitude da vida, não o nosso organismo. Assim como não é uma roupa bem apresentada que prova o estado de saúde do corpo. Tem muitas pessoas gravemente enfermas e esconde através de uma aparência produzida.

5ª) A ansiedade impede o homem de possuir as coisas, quando elas lhe são dadas. Porque ele não acredita na promessa dAquele que sempre supre as nossas necessidades.

Busca conseguir por seus próprios meios e fica ansioso.
6ª) A ansiedade vem quando não crê no senso dos valores de Deus (v.26).

Creia que você tem valor para Deus, confiando em que Ele sabe o que é melhor para você.

7ª) A ansiedade não prolonga a vida, ela não pode aumentar os anos da existência humana (v.27).

8ª) A ansiedade não produz fé, porque ela não descansa na provisão diária de Deus (v.30; Sl. 37:25).

Conclusão: Deus sabe e conhece quais são as necessidades humanas, dando-nos o que precisamos e não o que queremos. (v.31-32).

Hoje não é o dia de nos preocuparmos com o amanhã (v.34). Se você pode solucionar ou impedir um problema que vai estourar amanhã, ou no próximo mês, faça algo no sentido de resolvê-lo.

Aprendendo o segredo do sustento:
-Trabalhando pela expansão do Reino de Deus.
-Colocando Deus como prioridade
-Vivendo a verdade do Reino de Deus (Pv. 12: 17).

Não fique ansioso! Deus cumpre o que promete.