CURTA NOSSA PÁGINA !!!

Faça parte de nossas redes sociais e nosso canal no youtube.

Feridos no Campo de Batalha…

Não abandone seus “irmãos” que estão “feridos”, aqueles que caíram e estão tentando se erguer novamente. Talvez você seja o instrumento do Senhor para levantar a alma caída, e restaurar o coração quebrantado.
Pense Nisso

Projeto Paul Washer - No mínimo, impactante...

O MEU DESEJO É QUE DEUS FALE TREMENDAMENTE À SUA VIDA, POR MEIO DESSA MENSAGEM DAS SAGRADAS ESCRITURAS.

Joelho Dobrado


Você quer vitória? Então desce de joelhos.


Você já viu um passsarinho dormindo num galho ou num fio sem cair?
Como é que ele consegue isso?
O segredo está nos tendões das pernas do passarinho.
Eles são construídos de forma que quando o joelho está dobrado,
o pezinho segura firmemente qualquer coisa.
Os pés não irão soltar aquela coisa até que ele desdobre o joelho para voar.
O joelho dobrado é o que dá ao passarinho a força para segurar qualquer coisa.
Joelho dobrado em oração é também o segredo da força espiritual que nos sustenta.
O homem que se ajoelha diante de Deus, pode resistir de pé a qualquer outra coisa.


Para Leitura – Efésios 3.14 – 21
Fonte: Mensagens e Meditações

As Bem Aventuranças do Apocalipse



Texto: Ap 14.12 -"Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus".

Bem-aventurados são:
1 - Os que conhecem e guardam a Palavra - "Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nelas escritas, pois o tempo está próximo" (Ap 1.3).

2 - Os que morrem no Senhor - "Então, ouvi uma voz do céu, dizendo: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham" (Ap 14.13).

3 - Os que aguardam a Vinda de Cristo, com vidas santas - "Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nú, e não se veja a sua vergonha" (Ap 16.15).

4 - Os convidados à ceia das bodas do Cordeiro - "Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. São estas as verdadeiras palavras de Deus" (Ap 19.9).

5 - Os que participam da primeira ressurreição - "Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade ; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com Ele os mil anos" (Ap 20.6).

6 - Os que atendem às exortações deste livro - "Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro" (Ap 22.7).

7 - Os que lavam suas vestiduras no sangue do Cordeiro - "Bem-aventurados aqueles que lavam suas vestiduras (no sangue do Cordeiro), para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas" (Ap 22.14).

Os dias são maus, estamos vivendo o tempo chamado princípio das dores, descrito por Jesus, no Evangelho de Mateus no capítulo 24 a partir do versículo 3, e o nosso Messias e Senhor nos instrui no versículo 13 do mesmo capítulo que: "Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo".

Tomemos a decisão de firmarmos em Jesus e chegaremos com Ele à eternidade.

A DEFINIÇÃO BÍBLICA DE RESTAURAÇÃO

Jó 42:10,12 - E o SENHOR virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o SENHOR acrescentou a Jó outro tanto em dobro a tudo quanto dantes possuía. Então, vieram a ele todos os seus irmãos e todas as suas irmãs e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa, e se condoeram dele, e o consolaram de todo o mal que o SENHOR lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e cada um, um pendente de ouro. E, assim, abençoou o SENHOR o último estado de Jó, mais do que o primeiro; porque teve catorze mil ovelhas, e seis mil camelos, e mil juntas de bois, e mil jumentas.

De acordo com o dicionário, "restaurar" significa "fazer voltar a uma forma antiga original", quando alguma coisa é restaurada nas Escrituras, todavia, ela é sempre aumentada, multiplicada ou melhorada, a fim de que o seu estado presente seja significativamente melhor do que era antes de ser restaurada [ver Joel 2:21,26].
Por exemplo, sob a lei de Moisés, se alguém furtasse um boi ou uma ovelha, não seria suficiente simplesmente restaurar o animal que ele havia levado, ele tinha de pagar cinco bois e quatro ovelhas [Êxodo 22:1], quando Deus restaurou Jó, depois das terríveis provações pelas quais passou, Deus o recompensou com o dobro do havia sido tomado dele e o abençoou mais nos seus últimos dias do que nos primeiros [Jó 42:10,12], Jesus disse que qualquer um que deixasse qualquer coisa para segui-lo, receberia cem vezes mais [Marcos 10:29,30].
Deus multiplica quando Ele restaura, e então, em seu trabalho de restauração atualmente, Deus não está simplesmente restaurando a Igreja à glória que é mostrada no tempo do Novo Testamento, ele está buscando restaurá-la a um estado ainda mais poderoso, majestoso e glorioso do que qualquer coisa que o mundo jamais tenha visto.

O desejo que consome


Vamos começar pela definição e alargar para uma maior compreensão de um dos vícios secretos que mais corrompe o caráter e distorce a personalidade. O que é pornografia?
Pornografia é o material visual e/ou auditivo cujo intuito é produzir estimulação erótica. A pornografia oferece delícias sensuais ao homem ou à mulher que não se realizam de forma adequada em seu relacionamento físico sexual.
E como ocorre esse processo? A que custo? O preço compensa o estrago causado? Em caso negativo, como explicar o domínio por ela exercido em tantas pessoas?
A pornografia atiça a sensualidade. É como passar uma pena no braço para depois coçá-lo. Porém, é bom que se diga que essa pena leva a uma coceira que pedirá mais pena e assim sucessivamente. Esse processo não satisfaz da mesma maneira que uma refeição sacia o apetite nem oferece a realização de um ato sexual em uma relação de amor e compromisso como o casamento. Pornografia é a coceira que nunca passa, que causa sensações e desejos que não se realizam.
Experiências mostraram que a relação entre a estimulação sensorial e o prazer não é estática. Quanto mais nos expusermos à estimulação sexual, maior será nossa tolerância a ela. E quanto maior nossa tolerância, maior deverá ser a satisfação, da mesma forma que um consumidor de heroína precisa de uma dose cada vez maior para manter o nível de arrebatamento.
Percebe-se, então, que se pensarmos no verdadeiro motivo do sexo (desenvolvimento de um relacionamento íntimo e profundo), a pornografia é um engodo.
Podemos ir mais longe e afirmar que a pornografia destrói o que Deus idealizou – um relacionamento entre marido e esposa que reflita o relacionamento de intimidade que Deus deseja ter com todos nós. A pornografia também pode causar insatisfação sexual entre o casal. O normal é que, com o tempo, a relação física entre os cônjuges se torne mais prazerosa devido à intimidade e aconchego desenvolvidos. Os casais casados vão tendo seu sistema central modificado de forma a se conectarem cada vez mais, resultando em uma adaptação entre eles que propicia o crescimento do prazer sexual. Tornam-se como dançarinos, cuja prática constante transforma-os em melhores parceiros, não somente na cama, mas também no cotidiano. A pornografia consegue estragar esse belo quadro.

Dissimulação
Portanto, a pornografia pode ser considerada errada não somente pelos distúrbios produzidos, mas também por destruir a dignidade de quem é dominado por ela. A pornografia pode facilmente conduzir ao pecado sexual, que, por sua vez, leva à promiscuidade e à infidelidade.
A censura deixa de existir. Assim que o apetite é amenizado, o viciado prossegue para a próxima etapa – tentativa de colocar na prática as sensações desenvolvidas nas fantasias. E assim ela vai, aos poucos, modificando o estilo de vida de seus viciados, que acabam tornando-se hipócritas ou altamente fechados. Revistas são escondidas, sites são subitamente mudados com a chegada de alguém na sala do computador, enfim, dissimulação e fingimento passam a fazer parte da vida de um viciado em pornografia. Conheço várias pessoas assim e garanto que nenhuma delas se orgulha do que se tornou.

Infidelidade
Não posso jurar, mas creio que a maioria esmagadora de quem trai seus cônjuges é composta por usuários de pornografia que se deixaram levar pelas fantasias a que foram induzidos.
Ao fazer esta afirmação coloco-me ao lado da pessoa que está sendo dominada pelo poder da "peninha" subindo e descendo pelo braço, pela coceirinha gostosa que leva ao círculo vicioso – pena, coceira, coceira, pena e assim por diante.
Percebo, então, que meus olhos gostam de ir a lugares onde minha consciência lhes diz para não ir e meus desejos caminham mais próximos dos meus olhos do que de minha consciência. O que concluo a meu respeito? Sou uma pessoa fraca? Tenho uma mente suja?

Sabemos que "quem está em pé, veja que não caia" e que sou passível de "acidentes". Se isso vier a acontecer, correrei para aquele que apruma nossos pés: "O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada; ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão" (Salmos 37:23-24).

As Crianças e a Bíblia

Desde os mais antigos Deus, se preocupou com o ensino bíblico para a criança. A primeira prova disso é que Ele teve o cuidado de organizar uma instituição educacional que se responsabilizasse pelo ensino, desde a mais tenra idade do indivíduo " o lar ou a família.

Compreende-se que o plano fundamental de Deus concernente à educação do seu povo deveria iniciar no lar. O temor do Senhor, a guarda dos estatutos e mandamentos, deveriam ser passados de pais para filhos, de geração em geração, a fim de que o conhecimento de Deus fosse uma constante entre o povo.

A criança ocupava lugar importante no seio da família israelense (Sl 127.3 e 128.1-3). Sua educação nos preceitos bíblicos era prioridade. Cabia aos pais o zelo pela instrução dos filhos que, por ordem divina, deveria ser constante e diligente (Dt 4.9-10;6.1-7 e11.18-19).

Está claro nas Escrituras que, de acordo com a vontade divina, os mandamentos do Senhor seriam ensinados em todos os momentos (andando, falando assentados em casa, à mesa, pelos caminhos, de dia e à noite, quando a família se reunia). À criança era concedida a oportunidade de fazer perguntas (Ex 12.26-27; Gn 22.7-8), o que tornava o ensino eficaz e mais interessante.

Mais tarde, além do lar, as crianças também aprendiam com os sacerdotes e profetas. Algumas delas eram dedicadas a Deus e entregues ao sacerdotes para educá-las. Um desses casos é o de Samuel, que foi entregue ao sacerdote Eli ainda bem novinho (1Sm 1.20-28). O profeta também era uma figura importante na educação nacional. Muitos jovens eram enviados às escolas de profetas a fim de estudarem as Escrituras e se prepararem para substituir seus antecessores (1Sm 10.10;19.19; 2Rs 2.5 e4.38).

Dificuldades atuais

A sociedade atravessa um período de profundas mudanças. Em conseqüência, os lares são abalados de forma preocupante, o que traz sérios problemas no que se refere à educação do indivíduo.

De um lado está a necessidade da busca de meios de sobrevivência colaborando para que as mães também deixem o lar e se dediquem a algum trabalho para ajudar a sustentar a economia da família. De outro, as mulheres que "vestindo a roupagem" do desejo da realização pessoal e da procura de um "espaço" na sociedade, fogem das suas responsabilidades de esposa e mãe. E ainda levando-se em consideração os desmandos dos pais, as brigas, as ocupações extras, a separação dos cônjuges, que no final chegam ao divórcio na maioria das vezes.

Todos esses acontecimentos na vida familiar levam a criança ao abandono, à falta de orientação, a necessidade de alguém para  identificar-se, de ajuda para resolver seus problemas.

Falta a presença dos pais para incentivá-la a crescer, a desenvolver-se, quer elogiando-a ou repreendendo-a, conforme a situação. Determinando e cobrando tarefas. Ensinando-a a respeitar limites, a ser útil, a participar do grupo familiar. Dando-lhe oportunidade de partilhar das alegrias e das dificuldades do dia-a-dia. Ensinando-a a fazer escolhas e a tomar decisões. Caminhando junto a ela, apontando-lhe o caminho (Pv 22.6). Orientando-a a lidar com seus próprios sentimentos.

São os pais, as pessoas responsáveis para "descortinar" conhecimentos. É a qualidade do mesmo que determinará seus resultados. Sem dúvida, os ensinamentos bíblicos oferecidos ao indivíduo desde a sua infância é que nortearão sua vida de modo eficaz tornando-o um cidadão honrado. Capacitando-o a colaborar para o bem estar da sociedade e da nação. E, acima de tudo, fazendo-o um futuro cidadão dos céus.
 

O que a Bíblia quer dizer com ligar e desligar?



O conceito de "ligar e desligar" é ensinado na Bíblia em Mateus 16:19 e 18:18: "E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus." Nesse versículo, Jesus está falando diretamente ao Apóstolo Pedro e indiretamente aos outros Apóstolos. As palavras de Jesus significam que Pedro teria o direito de entrar no reino e teria autoridade geral aqui simbolizada pela posse de chaves. O pregar do Evangelho seria a forma de abrir o reino do céu a todos os crentes e fechar o reino para os descrentes. O livro de Atos nos mostra como esse processo funciona. Através do seu sermão no dia de Pentecostes (Atos 2:14-40), Pedro abriu a porta do reino pela primeira vez. As expressões "ligar" e "desligar" eram comuns à fraseologia judaica e significam declarar proibido ou declarar permitido.

Era para Pedro e os outros discípulos continuarem o trabalho de Cristo na terra em pregar o Evangelho e declarar a vontade de Deus aos homens. Eles possuíam a mesma autoridade que Cristo.

Cristo no céu ratifica o que é feito em Seu nome e em obediência à Sua Palavra aqui na terra. Tanto em Mateus 16:19 como em 18:18, a sintaxe do texto grego deixa bem claro o seu sentido. O que você ligar na terra já vai ter sido ligado no céu. O que você desliga na terra já vai ter sido desligado no céu. Em outras palavras, Jesus no céu libera a autoridade de Sua Palavra à medida que é proclamada na terra para a realização do seu propósito.

10 Razões porque devo participar da Escola Bíblica Dominical


1. Por causa do amor a Cristo e sua Palavra. (Jo 14.21)

2. Porque é dever do cristão crescer no conhecimento de Deus através do ensino saudável das Escrituras.

3. Para que não sejamos enredados pelas heresias e desvios doutrinários do nosso tempo. (Mt 22.29)

4. Porque a igreja se desenvolve de forma relacional, comunitária e intelectual através do estudo sistemático da Palavra de Deus.

5. Porque o ensino da Palavra de Deus proporciona a elevação do nível de maturidade da igreja local.

6. Porque a Escola Bíblica Dominical é um excelente meio de evangelização.

7. Porque a Escola Bíblica Dominical é um lugar propício para a descoberta, crescimento e capacitação de novos ministérios.

8. Porque a Escola Bíblica Dominical fortalece a família promovendo o entrelaçamento dos relacionamentos familiares.

9. Porque o estudo sistemático da Palavra nos desperta a uma vida de santidade.

10. Porque a Escola Bíblica Dominical é uma profícua fonte de avivamento e despertamento espiritual para a igreja.

Pense nisso! Que Deus lhe abençoe.


EBD: Eu participo !


O termo "Escola Dominical" foi primeiramente usado pelo jornalista evangélico Robert Raikes, na Inglaterra, a partir de 1780, quando começou a oferecer instrução rudimentar para crianças pobres em seu único dia livre da semana: domingo, pela manhã e à tarde, pois a maioria mesmo tendo pouca idade já trabalhava durante a semana. A Escola Dominical nasceu para servir como o ensino público gratuito, orientado pelos princípios da educação-cristã, vindo posteriormente o governo britânico e de outros países a oferecer o sistema de educação pública e a se responsabilizar oficialmente por ele. O movimento iniciado por Raikes é considerado o precursor desse sistema.

Portanto, a Escola Dominical do nosso tempo náo é o mesmo do britânico inicial, mas o tipo de escola que surgiu na América do Norte muito tempo depois oferecendo um conteúdo curricular bíblico não mais objetivando prioritariamente a aprendizagem da leitura e da escrita de seus alunos e sim o conhecimento bíblico, a edificação espiritual, o discipulado e a integração e a evangelização. Por isso, a Escola Dominical é o momento especial da semana para que todos que pertencem a uma igreja local (crianças, adolescentes, jovens, adultos, incluindo os novos convertidos), primeiramente, se reúnam para estudar a Palavra de Deus de forma pedagógica e metódica, e também promovam a comunhão, o discipulado e a integração de novos crentes e a evangelização, cooperando para o cumprimento da Grande Comissão de Jesus registrada em Mateus 28.18-20.